CRÓNICA DE NINGUÉM

Não consigo fechar a gaveta da inquietação, uma vez que lá dentro tudo está por resolver, isto é, coisas como peixe fora de água, abrindo e fechando a boca, de aflição, de espanto, de espera, ou apenas soltando palavras que ninguém ouve, que ninguém entende, palavras que se desfazem ao fim de segundos uma vez que esbarram apenas no ausência de tudo e portanto, supérfluas, incapazes, impotentes, talvez nem palavras e apenas letras arrumadas de certa forma a que se desejem fazer entender, letras sem lei, vadias, ladras, vigaristas, hipócritas, falsas, mentirosas

     que estão sempre para chegar e sempre para partir
letras sem forma, amorfas, nulas e de seguida a dobra do silêncio, vincada, nem sei se por engano ou desejo, mas vincada, indisfarçável, a pairar sobre os sussurros do tempo que não se queda nos relógios e circula imparável pelo ar,
     o peixe fora de água
com uma rede empunhada, como quem caça borboletas que ninguém vê porque pousadas nos buracos da alma, escondidas, encolhidas, de asas dobradas, ausentes, espreitando os movimentos exteriores, sustendo a respiração, o ar parado, não vento, não brisa e só vendavais inquietos, irrequietos, de nervos à flôr da pele, a calma em caixotes, pronta a deixar o lamento do cais, as gaivotas pairando sobre os movimentos, as sombras em rodopio, outras sombras paradas, outras não sombras porque nada que as produza, é estar e não estar, é ser e não ser, é sentir e não sentir, raiva, desprezo, desdém, 
     não ódio porque não odeio ninguém
alegria, contentamento, riso, choro, o prato mal comido, o caixote do lixo, o pão sobre a mesa, mordiscado pelos cantos, não por bocas, não por mãos, um copo meio vazio
     ou meio cheio
os talheres gastos, o guardanapo de lágrimas, a cadeira de lado, a almofada espremida, as formas de um corpo ausente,
     o peixe fora de água
arredado dali, em todo o lado e em parte alguma, inclinado, deitado, jogado à terra, refletido num espelho quebrado, desconexo, desencaixado, tal como este texto arrancado a ferros, que se armadilhou a si mesmo, a granada, a bomba, a explosão, o som, o não som, enfrentado quem o escreve, atropelando-lhe a intenção, mudando as regras, adiando o final
     que final?
porque nenhum texto acaba, porque nem texto, nem letras, nem mãos ou dedos que as embalem, o erro, a hesitação, a busca, o medo,
    o peixe fora de água
o pânico, o vazio, a incapacidade, o escrutínio, a fuga, a queda, o desamparo, a nódoa negra, a saliva, a ferida, o afago,  a gaveta, a inquietação, o desassossego, a espera, a esperança, o choro e o riso, o lamento e o fermento, a massa, o calor, o pão, o forno, o lume, depois o frio e afinal tudo e nada disto porque agora me rendo, porque nem sempre me aprendo.

Normal
0

21

false
false
false

PT
X-NONE
X-NONE

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}

©AL.Março2014
destaques

Recent Posts

Casa Aurora quer trazer turistas para Friúmes

Carlos e Palmira Pinheiro A casa, à entrada de Friúmes, começou a ser reconstruida há cinco anos, pelo pai de…

7 dias ago

Obras no “Ténis” depois de duas décadas de abandono

A obra vai custar meio milhão de euros Quem é de Penacova facilmente se lembrará das grandes festas que se…

3 semanas ago

Parque de Louredo pisca o olho aos canoístas

Louredo Natura Parque No início do ano, a câmara de Poiares inaugurou o Louredo Natura Parque. O espaço tem tudo…

4 semanas ago

O MOMENTO DOS PROFESSORES

Em termos laborais, nada há de mais justo do que contar o tempo de serviço efetivamente prestado, seja qual for…

1 mês ago

Antero mestre relojoeiro há cinquenta anos

Antero Alves tem 74 anos Encontro o mestre relojoeiro na conhecida rua Conselheiro Barjona de Freitas, no coração de Penacova.…

1 mês ago

O FUTURO DO IP3

Hoje assisti ao anúncio público, das obras de requalificação do IP3. Porque sou testemunha de muitas tragédias, quero acreditar que…

2 meses ago