A SÉRIO QUE NÃO SEI…

Quanto mais leio, mais me apercebo que não possuo dimensão cultural e literária suficiente para escrever um livro e muito menos, por respeito, dá-lo a ler aos outros.
Pode ser uma fase, mas para já, apetece-me parar com o meu “projeto de livro”. Não quero ter vergonha do que lá está escrito e do que falta lá escrever.
E a pergunta, tantas vezes repetida, sai mais uma vez escorreita: 
Como é que se publicam tantos “livros” em Portugal?
Duas respostas se aprontam logo.
Ou há bastantes “escritores” ou a vergonha está bastante mal distribuida. 
Remédios…
Parar de ler?
– Não!
Perder a vergonha?
– Não!
A sério que não sei…
destaques

Recent Posts

Casa Aurora quer trazer turistas para Friúmes

Carlos e Palmira Pinheiro A casa, à entrada de Friúmes, começou a ser reconstruida há cinco anos, pelo pai de…

7 dias ago

Obras no “Ténis” depois de duas décadas de abandono

A obra vai custar meio milhão de euros Quem é de Penacova facilmente se lembrará das grandes festas que se…

3 semanas ago

Parque de Louredo pisca o olho aos canoístas

Louredo Natura Parque No início do ano, a câmara de Poiares inaugurou o Louredo Natura Parque. O espaço tem tudo…

4 semanas ago

O MOMENTO DOS PROFESSORES

Em termos laborais, nada há de mais justo do que contar o tempo de serviço efetivamente prestado, seja qual for…

1 mês ago

Antero mestre relojoeiro há cinquenta anos

Antero Alves tem 74 anos Encontro o mestre relojoeiro na conhecida rua Conselheiro Barjona de Freitas, no coração de Penacova.…

1 mês ago

O FUTURO DO IP3

Hoje assisti ao anúncio público, das obras de requalificação do IP3. Porque sou testemunha de muitas tragédias, quero acreditar que…

2 meses ago