ESTE MUNDO LOUCO ALI DE FORA

Tenho praticado uma espécie de auto-imposição ignorante, isto é, não leio jornais, evito noticiários da rádio, excluo-me de assistir a telejornais, a debates e a qualquer fonte de informação ou opinião.
Para quem, como eu, já foi absolutamente dependente de tudo isso, este regime é, no mínimo, intrigante.
Várias palavras, em conjunto ou isoladas, explicam esta atitude.
Faço ressaltar uma apenas.
Desilusão.
Da mesma forma que admito poder ser uma desilusão para algumas pessoas, o mundo, a política e a estupidificação reinante atiram-me para esta amargura de galope.
Hoje, num exercício para “romper” com este auto-situacionismo, vi quase todo um telejornal, assisti a 3 minutos
     entre o degredo e o deleite
à emissão da Casa dos Segredos, em direto e confirmei que de facto, tudo está bem encaminhado; no telejornal assisti às reações às golpadas da política, que visam apenas urinar em cima de cadáveres, marcando “terreno” para a sua própria sobrevivência, enquanto um país definha, económica, social e moralmente, anestesiado e parecendo mais preocupado em discutir durante horas as manobras de mais um antro de sujidade que é o futebol.
Depois, a vida política local – aqui da região – é absolutamente intratável e provavelmente devido à escala e aos hábitos instalados durante décadas, é absolutamente impossível acreditar em quem quer que seja que governe ou pretenda governar esta terra.
Portanto, ou o cidadão se coloca perante esta ordem, ou a sua própria desordem. A escolha, a minha escolha, está feita. 
Portanto, é muito provável que continue a optar pelo meu alheamento deste mundo enlouquecido, pobre de valores e referências, de coutadas e coitados e continue a dedicar-me mais à leitura (aos livros que eu escolho), à música (que eu escolho) e, aqui e ali, tentando escrever algo que um dia valha a pena ser lido.

destaques

Recent Posts

Luís Amante escreve sobre a poesia do tempo

É o terceiro livro de poesia do autor Ao terceiro livro, o autor reconhece que houve uma evolução nos poemas…

1 dia ago

Quando na Raiva se juntavam trinta e seis barcas serranas e duzentos carros de bois …

Desenho de Joana Santana Em 1954, no jornal “Notícias de Penacova”, o Padre Manuel Marques (que assinava Manuel do Freixo)…

3 dias ago

O Porto da Raiva na segunda metade do século XIX

PORTO DA RAIVA FOTO: SITE DO MUNICÌPIO DE PENACOVA São frequentes as referências ao Porto da Raiva, geralmente associadas ao…

1 semana ago

Vila Nova tem novo alojamento local

Miguel, Margarida e Luís, os donos da Charrua do Mondego Uma família de empreendedores da Riba de Baixo arregaçou as…

2 semanas ago

Apontamentos para a história da Pérgola no centenário da sua construção

No início do século XX, a Sociedade de Propaganda de Portugal inscreveu Penacova no conjunto das 17 localidades portuguesas dignas…

1 mês ago

Movimento mantém luta pelos cuidados continuados

Movimento acredita que o Revive não é solução Um dos rostos do movimento de cidadãos "Mais Saúde para o Hospital…

1 mês ago