Com um tráfego rodoviário de cerca de 18 mil veículos/dia e
uma elevada percentagem de veículos pesados, o atual eixo do IP3,
está entre as
estradas mais movimentadas do nosso País e
constitui um dos trajetos essenciais, para o transporte de
mercadorias para exportação.

O IP3 e o IC6, conferem a Penacova
uma centralidade ímpar no importante traçado rodoviário, Coimbra-Viseu-interior
norte e a ligação privilegiada à A25, como porta de acesso a Espanha e à
Europa, ao interior e ao litoral
.
Contrariamente a muitas outras vozes, tenho sempre
defendido um reforço de investimento no atual traçado, transformando-o em perfil
de autoestrada, em detrimento da construção de uma nova via alternativa, muito
mais cara e portajada.
Fui agora informado, que a construção de uma nova via
é inevitável, e, que estão já em discussão pública duas hipóteses alternativas.
Uma, o chamado traçado norte, defendido pelos Autarcas
a norte, que veem com bons olhos uma distância um pouco mais curta entre as
cidades de Coimbra e Viseu, com uma solução que ainda se sobrepõe um pouco ao
IP3, prevê a passagem pela zona da Espinheira, depois em túnel pela Serra dos
Moinhos da Portela de Oliveira e com a travessia do rio Mondego a montante do
concelho de Penacova. Esta solução, que sujeitará, desde logo, o que vai restar
do IP3 ao pagamento de portagem, retira-nos o nó de Lorvão, altera profundamente
o ecossistema da Serra do Buçaco, abre uma grave ferida na paisagem, sobretudo
na freguesia de Figueira de Lorvão e, mais grave ainda, pode provocar a
destruição dos aquíferos, inviabilizar de vez a exploração das Corgas e acabar
com a Água das Caldas de Penacova.
A alternativa, a que chamam agora o traçado sul,
defendido pelas autarquias servidas pela Estrada da Beira, opta pela construção
de uma estrada na margem esquerda do Mondego, que passará algures, em túnel
pela Serra de Atalhada com ligação ao IC6. Esta solução, talvez com menor
impacto ambiental, poderá beneficiar de alguma forma as freguesias do chamado
alto do concelho de Penacova.
Neste processo, que, na minha opinião, deveria ser
liderado, muito bem estudado e moderado
pela Comunidade Intermunicipal, Penacova arrisca-se a ficar
no meio deste jogo de interesses locais, a ficar fora da discussão e a assistir
ao nascimento de uma nova via rápida, com o IP3 a transformar-se progressivamente
numa estrada local, sem a importância estratégica que tem hoje, porventura, votada
ainda mais ao abandono, com consequências necessariamente negativas para o
concelho.
Sou dos que defendo que não precisamos de mais
autoestradas, precisamos, isso sim, de melhorar as que temos, adaptando-as
progressivamente às novas realidades, sem onerar ainda mais as gerações
futuras. No entanto, e perante a inevitabilidade da sua construção, acho que
Penacova deve lutar até ao limite do possível, pela manutenção e melhoria do
IP3, sem custos para os utilizadores, e deve ser frontalmente contra qualquer
solução que retire o nó de Lorvão e Figueira de Lorvão, que destrua a nossa
paisagem, o nosso ambiente e a riqueza incomensurável dos nossos aquíferos.
Este não é o momento de nos alhearmos, de deixar andar ou fazer de conta, este é o momento de cerrar fileiras, de colocar
o assunto em discussão pública, franca e aberta, e de levantar a voz a favor
daquilo que é essencial ou, pelo menos, com menor impacto negativo para a
qualidade de vida de quem cá mora e trabalha.
destaques

Recent Posts

Lorvão e Alcobaça no Registo da Memória do Mundo

Passados três anos após a inscrição no Registo da Memória do Mundo dos manuscritos “Apocalipse do Lorvão” e “Comentário ao…

1 dia ago

Viver no interior não é uma fatalidade

Como o Fundão pode ser inspirador para Penacova Penacova tem um atraso estrutural que muito dificilmente conseguirá recuperar. Continuamos a…

2 dias ago

TRAGÉDIA – VERÃO 2017

 Texto escrito em 17 de Outubro de 2017 Cinco vidas ceifadas, 4 Bombeiros que necessitaram de deslocação aos HUC, 29…

7 dias ago

Devolver o imposto ou investir?

PS e PSD trocaram acusações sobre devolução do IRS A câmara de Penacova não vai devolver IRS aos munícipes em…

2 semanas ago

Casa onde nasceu António José de Almeida vai dar lugar a Museu da República

A Câmara Municipal de Penacova assinou hoje um Protocolo de Colaboração com o Centro de Estudos Disciplinares Século XX (CEIS…

2 semanas ago

Lixeira a céu aberto na descida do Botão

Lixo acumula-se na descida do Botão (IP3) Os portugueses estão a produzir mais lixo e as campanhas de sensibilização e…

3 semanas ago