Arménio Neves e a sua motorizada
O incêndio do passado dia 15 de outubro foi funesto para Arménio Neves. Parte da casa onde habita mais a esposa, os anexos, os animais, as oliveiras e a motorizada, tudo foi atingido pela fúria das chamas.
Por volta das nove da noite desse dia, ele e Ermelinda abandonaram Vale do Barco e foram levados para Penacova. Algumas horas depois regressaram e o cenário era de desolação. A onda de solidariedade que, no dia seguinte, começou a ganhar forma, tocou-lhe bem fundo – “nunca pensei que tivesse tanta gente amiga!”.
Conta-me que vieram pessoas de Guimarães para ajudar a pintar a casa, de Sazes e de toda a sua freguesia. Arranjaram o telhado, as portas, limparam e trouxeram donativos. “O largo onde o senhor tem a carrinha estava cheio! Olhe que há batizados com menos gente”, confessa ainda um pouco incrédulo com a mobilização dos conterrâneos e até de desconhecidos que, voluntariamente, quiseram ajudar.
O fogo levou-lhe também o meio de transporte. “A motorizada leva-me para todo o lado! Para o trabalho, para São Pedro de Alva, à feira, à farmácia. Não tenho dinheiro para alugar um táxi e aqui não passam autocarros. Vou eu e a minha mulher, vão também as ferramentas, quando é preciso”, conta Arménio Neves.
Quando se soube que tinha ficado sem a Sachs, Alzira Pimpão, de São Pedro de Alva, iniciou uma campanha nas redes sociais para comprar uma motorizada. A corrente de generosidade rapidamente reuniu o dinheiro necessário e, há poucos dias, Arménio Neves recebeu uma Sachs semelhante à que tinha perdido no fogo.
“São as minhas pernas! Ela leva-me a todo o lado!”, diz-me sem desviar o olhar da máquina, vermelha e resplandecente. Arménio está na casa dos sessenta. Trabalhou largos anos no setor da transformação de madeira – “Primeiro foi na Paletaco, em Paredes e depois numa serração no Silveirinho. Agora dedico-me à agricultura e ao trabalho que vai aparecendo, desde a limpeza de matas, à apanha da azeitona. De tudo um pouco!”
Por estes dias, o que parece ser uma entorse no joelho, tem-no atormentado. Movimenta-se com dificuldade e só com a ajuda de uma muleta. “Mas quando isto passar, volto a pegar na motorizada! É com ela que voltarei ao trabalho, mas primeiro quero agradecer a todos, um por um, o que fizeram por mim!” Assim seja, senhor Arménio!
  
destaques

Recent Posts

Grupo de teatro recupera cenários de 1952

Cenário de 1952 restaurado São telas de grandes dimensões que chegaram aos nossos dias em razoável estado de conservação. Uma…

3 dias ago

Casa Soares uma mercearia que resiste ao tempo!

Um bom bacalhau é na "Casa Soares" É uma pequena mercearia que resiste ao tempo e à concorrência das grandes…

1 semana ago

Vítima do fogo em Lufreu desespera pela casa

Reconstrução está bastante atrasada A aldeia do Lufreu foi das mais castigadas pelos incêndios do ano passado. O fogo destruiu…

2 semanas ago

Canil/gatil ainda não saiu do papel

 Projeto do futuro canil/gatil            FONTE: CMP A primeira edição do Orçamento Participativo de Penacova aconteceu…

4 semanas ago

Crédito Agrícola vê oportunidade e vai para o Terreiro

Crédito Agrícola vai ocupar local nobre de Penacova Nos anos mais recentes, BPI, BIC e agora o BCP encerraram balcões…

1 mês ago