Prejuízos dos apicultores são muito elevados

Sim, a feira deveria ter acontecido, não para preservar uma tradição que vem de longe, desde os tempos em que o grande magusto se realizava no Terreiro, mas sobretudo, para poder ajudar aqueles que foram afetados pelos incêndios. 

Para mim, uma feira deste género deveria ter sempre presente uma única matriz: apoiar os produtores locais, nas suas mais diversas atividades. A produção de mel, os licores e compotas, os cogumelos, o pão caseiro e os enchidos, o artesanato, a gastronomia, enfim, os chamados produtos da terra ou endógenos que têm aquele sabor inigualável! Ora esses produtos nascem, quase sempre, das mãos de pequenos agricultores que encontram nesta atividade uma forma de aumentarem o seu rendimento mensal. É a chamada agricultura de subsistência que ocupa, ainda hoje, tantos penacovenses. Todos sabemos que o grande incêndio de quinze de outubro não poupou esta parte da população. As chamas devoraram os campos, as vinhas, os animais, as alfaias, os tratores, as colmeias, e em muitos casos toda uma vida dedicada à lavoura. O fogo retirou a estes pequenos agricultores, muitos deles a viverem com parcas reformas, o tal rendimento extra que, alguns, conseguiam obter com os produtos da terra.

Na apicultura, por exemplo, as perdas foram dramáticas. Em toda a região e também nas freguesias do chamado alto concelho, centenas de colmeias ficaram queimadas. Perderam-se grandes efetivos, desapareceu a vegetação, o alimento essencial das abelhas e a produção de mel, para os próximos tempos, está comprometida. A juntar aos incêndios, os ataques da vespa asiática e os meses de seca agravaram a situação.
Não seria a Feira do Mel e do Campo uma boa oportunidade para os apicultores afetados poderem vender o seu mel e assim ajudar a minimizar os prejuízos? Não seria a Feira do Mel e do Campo o local ideal para os pequenos agricultores do nosso concelho, os que mantiveram alguma capacidade de produção, virem comercializar os seus produtos?
A Lousã, por exemplo, onde os prejuízos com a apicultura são enormes, realizou a feira este fim de semana. O autarca local, Luís Antunes disse ao jornal Diário de Coimbra que “o evento era determinante para puxar pelo concelho e levantar a moral da comunidade” depois dos incêndios. O certame foi uma forma de os apicultores poderem escoar algum mel e atenuarem as perdas provocadas pelo fogo.
Eu julgo que a Feira do Mel e do Campo, com entradas pagas e com o cuidado de selecionar produtores, artesãos, agricultores, apicultores e associações locais, das aldeias mais afetadas, das uniões de freguesias de São Pedro de Alva e São Paio do Mondego, Friúmes e Paradela da Cortiça e Travanca e Oliveira do Mondego, seria uma forma de auxiliar as vítimas dos incêndios.
destaques

Recent Posts

Peças para campeões fabricadas na Espinheira

Mário Ribeiro, administrador da Extramotion Há uma empresa, na zona industrial da Espinheira, de tecnologia de ponta, que exporta grande…

7 dias ago

Esta livraria faz cinco anos!

A verdadeira livraria junto ao Mondego Há cinco anos retomei a escrita e batizei este espaço de reflexão com o…

2 semanas ago

Da hospedaria da ti Leocádia à pensão da Altina do Amaral

É num livro publicado em 1903 pela Tipografia Vasconcelos (Porto) que, à volta de algumas aventuras de um grupo de…

2 semanas ago

O machado de pedra polida encontrado em Lorvão em 1973

A Associação Pró-Defesa do Mosteiro de Lorvão acaba de publicar na sua página no Facebook informação mais pormenorizada sobre o fragmento…

3 semanas ago

Vida de Left Hand Georges contada em filme

Na casa do Chainho em 2003 A vida e o percurso artístico de Left Hand Georges vai passar para as…

3 semanas ago

Mosteiro de Lorvão: processo de musealização tarda em avançar

A Deputada do PCP Ana Mesquita, acompanhada por membros da Comissão concelhia de Penacova, da direcção Regional de Coimbra do…

3 semanas ago