Corunha descobre pintura de José Fonte

FOTO: Rafael Magán Garcia
Conheço o José Fonte desde os tempos do liceu. Fomos colegas de turma no 9º ano. Nessa altura o José distinguia-se dos restantes pelo talento a jogar com os pés. Era um avançado temido e quando chegou aos seniores do Mocidade FC, da Cheira, o seu futebol técnico, mas eficaz, deixou uma marca. Mas, para além dos pés, o José Fonte desenvolveu, ao longo da vida, uma outra virtude, a pintura.
Primeiro, como autodidata e mais tarde na ARCA – Escola de Técnicas Artísticas de Coimbra, onde estudou, trilhou um caminho que, julgo eu, porque não sou especialista na área, atingiu agora a maturidade plena.
As criações do José Fonte ultrapassaram muros e estão agora nas paredes de uma galeria espanhola. Na Corunha, a “Arte Imagen” exibe “doze quadros que formam um percurso paralelo à caminhada da vida. De Alfa a Ómega, o principio do fim do ciclo.” As palavras que introduzem esta exposição sintetizam, parece-me a mim, a fase atual da sua carreira. A exposição chama-se “100 passos/sem passos”.
A atitude de José Fonte sempre foi proativa. Lembro-me do seu papel relevante na Prof ‘Arte, a iniciativa que teve origem numa homenagem ao Mestre Martins da Costa e se realizou durante vários anos, envolvendo a comunidade escolar, sobretudo na escola secundária de Penacova, e os artistas. Também recordo, em 1999, uma pouco convencional, pelo espaço onde se realizou, exposição coletiva com colegas do curso de pintura da ARCA. A mostra reuniu trabalhos dele, de António Alpoim e de Márcio Costa. Aconteceu no “Independente Bar”, na Cheira e foi em 1999. Ao longo dos anos, a sua pintura foi ganhando admiradores, prémios e reconhecimento. Já tinha exposto fora do país em mostras coletivas.
É por isso com enorme satisfação que vejo o José Fonte mostrar a sua arte, fora de portas, numa grande exposição individual. A galeria “Arte Imagen”, na Corunha, existe desde 1993. A exposição está patente até 18 de janeiro.
destaques

Recent Posts

Luís Amante escreve sobre a poesia do tempo

É o terceiro livro de poesia do autor Ao terceiro livro, o autor reconhece que houve uma evolução nos poemas…

1 dia ago

Quando na Raiva se juntavam trinta e seis barcas serranas e duzentos carros de bois …

Desenho de Joana Santana Em 1954, no jornal “Notícias de Penacova”, o Padre Manuel Marques (que assinava Manuel do Freixo)…

3 dias ago

O Porto da Raiva na segunda metade do século XIX

PORTO DA RAIVA FOTO: SITE DO MUNICÌPIO DE PENACOVA São frequentes as referências ao Porto da Raiva, geralmente associadas ao…

1 semana ago

Vila Nova tem novo alojamento local

Miguel, Margarida e Luís, os donos da Charrua do Mondego Uma família de empreendedores da Riba de Baixo arregaçou as…

2 semanas ago

Apontamentos para a história da Pérgola no centenário da sua construção

No início do século XX, a Sociedade de Propaganda de Portugal inscreveu Penacova no conjunto das 17 localidades portuguesas dignas…

1 mês ago

Movimento mantém luta pelos cuidados continuados

Movimento acredita que o Revive não é solução Um dos rostos do movimento de cidadãos "Mais Saúde para o Hospital…

1 mês ago