Do cartaz de Tóssan aos números do turismo

Cartaz de autoria de Tóssan
Na década de cinquenta, do século passado, Rui Castro Pita pediu a um amigo, de seu nome, António Fernandes dos Santos, que fizesse, por ocasião de umas festas que por cá se realizaram, um cartaz que chamasse a atenção para o potencial turístico de Penacova.
O amigo, de Coimbra, pintor, ilustrador e caricaturista, que assinava as suas obras com o nome Tóssan, fez esse cartaz icónico que nos remete para a vibrante atividade turística da primeira metade do século XX.
Importa dizer que um dos responsáveis por essa dinâmica foi Rui Castro Pita, o homem por detrás da Sociedade de Propaganda e Progresso de Penacova, a entidade privada que mais fez pelo turismo desta terra.
De Tóssan, aos dias de hoje, muito mudou, e ao longo das últimas décadas, Penacova não soube acompanhar a evolução dos tempos e perdeu esse brilho que, outrora, atraía “aristas” de todo o país. O turista de hoje desfruta com os cinco sentidos. Não visita, aprende! Não viaja, descobre! O turismo é cada vez mais digital e a internet e as redes sociais são local de partilha de experiências. O smartphone passou a ser o companheiro de viagem.
O Tóssan dos nossos dias são as app e os sites que, com o deslizar do dedo, nos dão toda a informação que queremos, de determinado lugar, de um monumento, de uma praia fluvial, de um restaurante, e tudo em tempo real. Neste aspeto, Penacova continua à margem destas ferramentas que, hoje, o viajante, o turista, já não dispensa.
O turismo, o setor que mais tem contribuído para o bom momento económico do país, tem sido, aqui no blogue, um tema recorrente. Deveríamos aproveitar esta onda e dar o salto, mas isso tarda em acontecer! Falta estratégia, falta investimento, público e privado, falta o Tóssan deste novo século. Por isso, não me entusiasmam particularmente, os números do turismo divulgados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística. Sim, temos uma subida acima dos 300% nas dormidas (1614 em 2015, para 7457 em 2016). É ótimo, sem dúvida! Mas se olharmos para o todo do distrito, para os dezanove municípios, estamos cá para baixo, e só fazemos melhor do que Poiares, Góis, Soure e Tábua, estes dois últimos sem qualquer dado indicativo. Com o nosso potencial, que concentra num só município, tanto “trunfo”, já devíamos estar noutro patamar!
destaques

Recent Posts

Pista da Atalhada continua sem homologação

Pista da Atalhada foi inaugurada em 2014 Foi inaugurada pelo município em setembro de 2014 para servir de palco, sobretudo,…

3 dias ago

MEMORABILIA 19 – “Ó camarada cá vai uma pulha!”

O aparelho que amplificava o som das pulhas O lançar das pulhas era uma tradição antiga, do tempo dos nossos…

2 semanas ago

A Lenda dos Três Rios

Muitas das compilações existentes sobre lendas portuguesas a referem, atribuindo-a à tradição oral da zona de Pombeiro da Beira, mas…

2 semanas ago

DA FICÇÃO À REALIDADE

  Este é o complexo diagrama das estruturas coordenadas pela Agif, a nova a Entidade criada pelo governo para coordenar…

2 semanas ago

Portugal Green Travel instala-se em Penacova

Hugo Teixeira Francisco tem raízes em Penacova Um novo operador turístico especializado em produtos ligados ao turismo/natureza, destinos/aventura e produtos…

3 semanas ago

Memórias da Beira Serra: gravuras do boletim “A Acção Regional” 1931-1934

De 1931 a 1934 publicou-se em Lisboa um boletim trimestral que tinha como título “A Acção Regional”. Dirigido por José…

1 mês ago