Maria da Luz e os melhores tremoços do mundo

Maria da Luz vende tremoços no centro de Penacova
É uma daquelas figuras da terra que há, talvez, trinta anos, a própria já não sabe ao certo, nos habituou com a sua presença no Terreiro de Penacova. Faça chuva ou sol, lá está ela, com o seu alguidar de tremoços caseiros, colocado em cima do muro. “Ainda sou eu que os cozo, mas antes disso, ficam de molho junto ao rio, na zona das Caldas”, diz-me Maria da Luz, um símbolo da cultura popular e uma das personagens mais conhecidas desta vila.
De sorriso fácil, boa conversadora, a vida tem-lhe trazido alguns dissabores. Enviuvou recentemente mas tem força e resistência para não desistir e, por isso, mantém a tradição que vem de família – “a minha mãe já vendia tremoços. Ia porta a porta até à Cheira.”
Hoje, o negócio já não é o que era mas, ainda assim, continua a deslocar-se a Penacova – “Faço isto por gosto e já me habituei a este sítio. Acabo por passar o tempo e converso com as pessoas porque, felizmente, conheço muita gente. A minha irmã leva alguns tremoços para vender em Paredes, mas isto já dá pouco”, afirma Maria da Luz. O café Beirão, conhecido pela boa cerveja de pressão, acompanhada de bons tremoços, continua a ser um dos clientes assíduos – “o senhor Luís Menezes é cliente há muitos anos. Nosso Senhor lhe dê saúde!”
De seu nome completo, Maria da Luz Pereira da Cruz Lopes, tem 74 anos, três filhos e sete netos. “O Carlos está na Suíça, o Eduardo e o Orlando estão cá.” 
Os tremoços são dos aperitivos mais apreciados nas esplanadas e cafés portugueses. O tremoço não é mais do que a semente de uma planta, o tremoçeiro, cujas flores assumem várias cores. Nutritivo e pouco calórico, o tremoço é uma tradição que resiste em Penacova graças a pessoas como a Maria da Luz. O sabor dos seus tremoços, preparados em casa, na Ponte de Penacova, nada tem a ver com os tremoços industriais. São, sem sombra de dúvida, mais saborosos e suculentos. Neste Dia Internacional da Mulher, a minha vénia a esta senhora, que ao longo dos anos, tem contribuído para
manter esta tradição. 
destaques

Recent Posts

Pista da Atalhada continua sem homologação

Pista da Atalhada foi inaugurada em 2014 Foi inaugurada pelo município em setembro de 2014 para servir de palco, sobretudo,…

3 dias ago

MEMORABILIA 19 – “Ó camarada cá vai uma pulha!”

O aparelho que amplificava o som das pulhas O lançar das pulhas era uma tradição antiga, do tempo dos nossos…

2 semanas ago

A Lenda dos Três Rios

Muitas das compilações existentes sobre lendas portuguesas a referem, atribuindo-a à tradição oral da zona de Pombeiro da Beira, mas…

2 semanas ago

DA FICÇÃO À REALIDADE

  Este é o complexo diagrama das estruturas coordenadas pela Agif, a nova a Entidade criada pelo governo para coordenar…

2 semanas ago

Portugal Green Travel instala-se em Penacova

Hugo Teixeira Francisco tem raízes em Penacova Um novo operador turístico especializado em produtos ligados ao turismo/natureza, destinos/aventura e produtos…

3 semanas ago

Memórias da Beira Serra: gravuras do boletim “A Acção Regional” 1931-1934

De 1931 a 1934 publicou-se em Lisboa um boletim trimestral que tinha como título “A Acção Regional”. Dirigido por José…

1 mês ago