Livro dedicado a Martins da Costa voa para Itália

“Contos Vividos” foi lançado em 2016
Aos trinta e um anos de idade, João Martins da Costa tomou contacto mais de perto com a arte italiana, ao tornar-se bolseiro no Instituto para a Alta Cultura de Itália. Nessa época despertava a curiosidade pela pintura a fresco. Viajou e pintou em Peruggia, Pádua, Arezzo, Nápoles, Roma e Florença, entre outras cidades. Conheceu monumentos, artistas, estudantes bolseiros como ele e grandes mestres como Ferruccio Ferrazzi.
“Os telhados de Florença! Devia tê-los pintado da janela do meu atelier, como fiz em Roma, da janela do meu quarto. Se pudesse recuar no tempo e voltar a março de 1953, certamente que o faria”. As palavras foram escritas pela mão do artista, na crónica “A minha casa em Florença”, incluída no livro “Contos Vividos”. Ainda nesse ano, parte à descoberta da bela cidade de Veneza, “paragem obrigatória para ver os seus museus e aquilo que fez, dessa terra roubada ao mar, uma das sete maravilhas do mundo. Uma cidade de palácios e sonhos, assente sobre estacas de madeira.” 
A produção artística resultante destas viagens deu lugar à exposição “Apontamentos de Itália”. O jornal “Diário Popular”, de janeiro de 1954, escreve, a propósito que “em todos os quadros que trouxe de Itália, existem fragmentos de grande delicadeza (…), cheios de harmonia, com luzes de fulgores astrais (…)”. Acrescenta ainda o jornal, “uma boa exposição de um dos artistas mais expressivos da nova geração.”
Curiosamente, mais de meio século depois, a obra da Martins da Costa, sintetizada no livro “Contos Vividos”, e com várias crónicas dedicadas a Itália, volta a cruzar-se com este país. A editora Casalini Libri, com sede na província de Florença, terra visitada pelo pintor, adquiriu alguns exemplares para divulgação. Esta editora tem relações com mais de três mil bibliotecas e cerca de cinco mil editores, espalhados por quarenta países. A Casalini nasceu em 1958 e é, segundo informação disponibilizada no site, uma das maiores fornecedoras de publicações no sul da europa.
Em 2017, o livro “Contos Vividos” venceu quatro prémios, pela excelência da sua qualidade gráfica.
destaques

Recent Posts

Crédito Agrícola vê oportunidade e vai para o Terreiro

Crédito Agrícola vai ocupar local nobre de Penacova Nos anos mais recentes, BPI, BIC e agora o BCP encerraram balcões…

1 semana ago

Penacova na pintura de Eugénio Moreira

"Ferreirinha " retrato a óleo 73 x 93 Museu Nacional Soares dos Reis De acordo com Abel Salazar, Eugénio Moreira…

2 semanas ago

“TECER A PREVENÇÃO – Plano Local de Promoção e Proteção dos Direitos das Crianças e Jovens do Concelho de Penacova”.

Confesso que o nome, só por si, me fascinou.Esta dimensão tão abrangente das palavras, a conceção de um trabalho diligente,…

2 semanas ago

Reconstrução de casa na Ribeira bastante atrasada

Obra tem andado a um ritmo muito lento Na tragédia de 15 de outubro, do ano passado, o fogo destruiu…

3 semanas ago

Lorvão e Alcobaça no Registo da Memória do Mundo

Passados três anos após a inscrição no Registo da Memória do Mundo dos manuscritos “Apocalipse do Lorvão” e “Comentário ao…

4 semanas ago

Viver no interior não é uma fatalidade

Como o Fundão pode ser inspirador para Penacova Penacova tem um atraso estrutural que muito dificilmente conseguirá recuperar. Continuamos a…

4 semanas ago