Uma barbearia que está sempre na moda

Fernando Dias e Pedro
A moda da barba, nos rostos masculinos, fez renascer as barbearias. Em Lisboa, nas cidades e um pouco por todo o país, as barbearias vintage surgiram revigoradas. Uma sensação semelhante, talvez, ao bálsamo refrescante que se coloca após a barba, o famoso aftershave.
Por volta dos onze anos de idade, Fernando Dias, hoje com oitenta e três, já aprendia a arte da barba e cabelo com Carlos Almeida, em Penacova. Durante o serviço militar, nos anos cinquenta, do século passado, cortou muito cabelo e aparou a barba aos militares aquartelados em Santa Margarida. Testemunho disso são as fotografias, a preto e branco, que estão nas paredes da Barbearia Dias, que fica bem no coração de Penacova.
Durante alguns anos aprimorou a técnica na barbearia São José, em Coimbra. Na passagem pela cidade dos estudantes, trabalhou também na câmara da cidade e na ACIC – Associação Comercial e Industrial de Coimbra.
Em finais da década de oitenta, estabelece-se em definitivo em Penacova. Curiosamente, o filho, Pedro começa, tal como o pai, aos onze anos, a dar os primeiros passos no ofício. Hoje, é ele que assume o papel principal e segue as pisadas do pai. A Barbearia Dias nasceu em 1987 e alguns anos depois passou por uma remodelação. As paredes são em madeira, o chão em mosaico xadrez e as cadeiras, em tom verde, são verdadeiras obras de arte! O ambiente é descontraído, o cliente enquanto espera pode ler o jornal e, em fundo, uma telefonia acompanha o som das tesouradas.
Aos poucos, Fernando Dias vai passando o testemunho – “quando ele, por qualquer motivo, não está, eu ainda pego, mas isto agora é dele!”
O Pedro desdobra-se entre o trabalho na barbearia, os bombeiros e o clube Mocidade, onde é massagista. Sobre a moda das barbearias tradicionais, afirma que há mais homens a tratar da barba, mas o impacto sentido não é grande. “Isto é de modas!”.
Há trinta anos, talvez, Penacova tinha vários barbeiros. Em criança, acompanhava o meu pai ao Carlos “Barbeiro”. Quando chegava a minha vez, lá vinha o banquinho de madeira para eu me sentar em cima da cadeira. O senhor Carlos era muito ágil com a tesoura e um grande conversador. As táticas do futebol e as chaves do totobola eram esmiuçadas até ao ínfimo pormenor. Na mesma rua, um pouco mais acima, existia outra barbearia, a do senhor Joaquim Coimbra, uma das personagens mais carismáticas da vila que, há largos anos, retratei no Jornal de Penacova.
Espero que a Barbearia Dias viva por muito tempo e mantenha viva esta tradição!
Álvaro Coimbra
destaques

Recent Posts

Pista da Atalhada continua sem homologação

Pista da Atalhada foi inaugurada em 2014 Foi inaugurada pelo município em setembro de 2014 para servir de palco, sobretudo,…

3 dias ago

MEMORABILIA 19 – “Ó camarada cá vai uma pulha!”

O aparelho que amplificava o som das pulhas O lançar das pulhas era uma tradição antiga, do tempo dos nossos…

2 semanas ago

A Lenda dos Três Rios

Muitas das compilações existentes sobre lendas portuguesas a referem, atribuindo-a à tradição oral da zona de Pombeiro da Beira, mas…

2 semanas ago

DA FICÇÃO À REALIDADE

  Este é o complexo diagrama das estruturas coordenadas pela Agif, a nova a Entidade criada pelo governo para coordenar…

2 semanas ago

Portugal Green Travel instala-se em Penacova

Hugo Teixeira Francisco tem raízes em Penacova Um novo operador turístico especializado em produtos ligados ao turismo/natureza, destinos/aventura e produtos…

3 semanas ago

Memórias da Beira Serra: gravuras do boletim “A Acção Regional” 1931-1934

De 1931 a 1934 publicou-se em Lisboa um boletim trimestral que tinha como título “A Acção Regional”. Dirigido por José…

1 mês ago