Um cais para a Barca Serrana

O cais da Barca Serrana em 2012 / FOTO: Carlos Alvarinhas Miguel
Esta semana almocei no simpático restaurante “O Cantinho” e enquanto esperava pela refeição fixei o olhar na enorme fotografia da Barca Serrana que está exposta na sala. Dei um salto no tempo e imaginei-a a percorrer o Mondego, de velas ao vento, cheia de mercadorias, sob o olhar atento do barqueiro. Deslizava pelas águas com um leveza de movimentos que mais parecia um bailado.
A Barca Serrana é uma marca da nossa identidade e é pena que seja tão esquecida! Um dos poucos momentos do ano em ela que assume o papel principal vai acontecer este sábado, na “Festa do Barqueiro”, organizada anualmente pelo Grupo de Solidariedade, Social, Desportivo, Cultural e Recreativo de Miro. O evento junta folclore, gastronomia, artesanato mas é, sobretudo, uma oportunidade para reviver os tempos em que a Barca Serrana reinou nas águas do Mondego. A recriação das “lides do rio” vai ter lugar entre a Livraria do Mondego e as proximidades do ramal de Miro.
Um pouco mais a jusante, a praia fluvial do Reconquinho está pronta para mais uma época balnear. A caixa de areia, as sombras, as passadeiras, enfim, os chamados apoios de praia estão lá, mas falta um espaço digno para mostrar a nossa Barca Serrana. Ora, esse espaço, esse pequeno cais, já existiu, mais concretamente em 2012, quando uma nova embarcação foi lançada à água. A barca foi construída, por uma empresa da Ferradosa, a carpintaria PMHR, ao abrigo do programa NEA2 – Náutica no Espaço Atlântico. O projeto executado sob a alçada da AD ELO – Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego tinha, entre os seus objetivos, potenciar os recursos turísticos e preservar o património. Parece-me que, no que toca à reabilitação e promoção deste símbolo de Penacova, esses objetivos ficaram muito aquém. Apesar do leito do rio ter, hoje em dia, vários obstáculos seria sempre possível, ainda que num trajeto mais curto, fazer passeios regulares a partir desse cais, instalado no Reconquinho. Se em Aveiro, os moliceiros são um cartaz turístico sempre muito concorrido, porque não fazer algo semelhante em Penacova, ainda por cima com um enquadramento paisagístico tão fantástico?
Na verdade, com a bandeira azul já içada, não há sinais do tal cais que, há alguns anos, serviu de abrigo à Barca Serrana. 
destaques

Recent Posts

Ex-presidentes de junta querem reversão das freguesias

Em 2013 São Paio foi agregada à freguesia de São Pedro de Alva O governo quer voltar a reorganizar o…

1 semana ago

Penacova e a Senhora do Mont’Alto

Gravura publicada no século passado  na imprensa local O nascimento de Nossa Senhora ou a Natividade de Maria é uma…

2 semanas ago

MEMO 18 – Confraria da Lampreia criada há quinze anos

Os percursores da Confraria da Lampreia de Penacova Em agosto de 2003 nasceu, por escritura pública, a Confraria da Lampreia…

3 semanas ago

INCÊNDIOS FLORESTAIS

Ao dar uma olhadela nos meus arquivos da semana passada encontrei esta capa de jornal. Cada um interpreta como quiser.…

3 semanas ago

História da Casa do Povo de S. Pedro de Alva é o tema de novo livro de Alfredo Fonseca

No dia 15 de Julho teve lugar a apresentação de mais um livro de Alfredo Santos Fonseca. É o oitavo…

4 semanas ago

História da Casa do Povo de S. Pedro de Alva é o tema de novo livro de Alfredo Fonseca

No dia 15 de Julho teve lugar a apresentação de mais um livro de Alfredo Santos Fonseca. É o oitavo…

4 semanas ago