Antero mestre relojoeiro há cinquenta anos

Antero Alves tem 74 anos
Encontro o mestre relojoeiro na conhecida rua Conselheiro Barjona de Freitas, no coração de Penacova. A sua loja está lá, de porta aberta, desde o dia doze de outubro de 1976, mas Antero Alves entrou no mundo dos relógios alguns anos antes – “eu trabalhava no Grémio da Lavoura e, um dia, na pausa após o almoço, encontrei no café Beirão, um jornal com um anúncio de cursos de relojoaria por correspondência”. Foi ali, naquele momento, que tudo começou – “inscrevi-me e comecei a fazer diabruras com o despertador que tinha lá em casa. Os testes foram correndo bem e ganhei o gosto pela arte. Terminei o curso com média de 19,3 e foi o início de tudo…”, confessa Antero Alves nesta viagem aos finais do anos sessenta, do século passado.
Ao longo do tempo lá foi conseguindo conciliar os horários no Grémio com a reparação de relógios – “saía, normalmente às 17.30 e depois dedicava-me aos relógios. Passava horas em frente às pequenas máquinas e até perdia a noção do tempo!”
Em 1976 abriu a loja, no rés-do-chão de uma casa que pertencia a um antigo presidente da câmara – “este espaço era, antigamente, o curral da mula! Era uma casa à moda antiga, onde os animais ocupavam o piso térreo.”
Os anos foram passando e Antero Alves, natural de Miro, foi aperfeiçoando a sua técnica. O torno, a lupa e a pinça passaram a ser ferramentas indispensáveis. “Hoje consigo fazer alguns componentes de um relógio, como por exemplo, o eixo de balanço. É uma peça essencial ao funcionamento da máquina.” A loja está cheia de relógios de parede e, pelo interior, há vitrines com relógios de todas as marcas e feitios – “há muitas marcas por aí, mas os suíços continuam a ser reis e senhores”, sublinha Antero Alves que, para além da relojoaria também tem um carinho especial pela ourivesaria – “sou, sobretudo, um autodidata e faço reparações em peças de ouro e prata. Utilizo para estes trabalhos uma ferramenta pouco usual, um maçarico de boca. Permite-me controlar melhor a intensidade”, revela este mestre relojoeiro atualmente com setenta e quatro anos.
Sobre o futuro da arte, não vê grande augúrio – “Isto caminha para a extinção porque não há ninguém a aprender, não há formação. Dos que fazem alguma coisa, ainda sou dos mais novos!”  
destaques

Recent Posts

Pista da Atalhada continua sem homologação

Pista da Atalhada foi inaugurada em 2014 Foi inaugurada pelo município em setembro de 2014 para servir de palco, sobretudo,…

3 dias ago

MEMORABILIA 19 – “Ó camarada cá vai uma pulha!”

O aparelho que amplificava o som das pulhas O lançar das pulhas era uma tradição antiga, do tempo dos nossos…

2 semanas ago

A Lenda dos Três Rios

Muitas das compilações existentes sobre lendas portuguesas a referem, atribuindo-a à tradição oral da zona de Pombeiro da Beira, mas…

2 semanas ago

DA FICÇÃO À REALIDADE

  Este é o complexo diagrama das estruturas coordenadas pela Agif, a nova a Entidade criada pelo governo para coordenar…

2 semanas ago

Portugal Green Travel instala-se em Penacova

Hugo Teixeira Francisco tem raízes em Penacova Um novo operador turístico especializado em produtos ligados ao turismo/natureza, destinos/aventura e produtos…

3 semanas ago

Memórias da Beira Serra: gravuras do boletim “A Acção Regional” 1931-1934

De 1931 a 1934 publicou-se em Lisboa um boletim trimestral que tinha como título “A Acção Regional”. Dirigido por José…

1 mês ago