Parque de Louredo pisca o olho aos canoístas

Louredo Natura Parque
No início do ano, a câmara de Poiares inaugurou o Louredo Natura Parque. O espaço tem tudo para dar certo. Sombra, tranquilidade, mesas para piquenique, bons acessos, sanitários, estacionamento para bicicletas, água e um centro-aventura.
Este centro não é mais do que uma estrutura, um módulo em madeira, bem enquadrado na paisagem, que vai apoiar a realização de eventos, na área do desporto-aventura.
A localização do Louredo Natura Parque é outro ponto a favor. Está a poucos metros do rio Mondego e de um açude, de onde partem muitos canoistas.
O tal centro-aventura, que funciona em parceria com a empresa Capitão Dureza, que tem anos de experiência nas descidas de rio, vai apoiar esta atividade que, como sabemos, é um cartaz que chama pessoas dos quatro cantos do mundo.
A câmara de Poiares, e muito bem, vê neste segmento do desporto-aventura, uma oportunidade para dar a conhecer o seu território. Por isso, na sinalética do Louredo Natura Parque, não faltam as referências ao artesanato, à gastronomia, às piscinas da Fraga e outros pontos de interesse.
E Penacova, o que tem feito para chamar a atenção dos milhares de pessoas que, todos os anos, descem o Mondego até às portas de Coimbra?
Desde 1988, ou seja há trinta anos, que há descidas de canoa. Os pioneiros, o casal belga Dirk Van Vossole e Kristen Devloo-Delva começaram esta saga a partir do Reconquinho, no tempo em que não existia açude na Carvoeira.
Pelas contas do “Pioneiro do Mondego”, mais de cem mil pessoas fizeram este passeio rio abaixo. E se somarmos todas as outras, e são mais de uma dezena e empresas, o número atinge proporções estratosféricas. Em 2015, alguns dos açudes foram intervencionados para a colocação de novas escadas de peixe. No açude da Carvoeira, a passagem para as canoas não ficou do agrado das empresas que alegaram falta de condições de segurança. O professor Pedro Raposo, da Universidade de Évora que fez o acompanhamento científico das obras, reconheceu que o resultado final não foi o melhor, mas apresentou à câmara de Penacova e às empresas uma solução, à base de linhas de boias, para que as canoas pudessem fazer a passagem com o mínimo risco.
Certo é que, nada aconteceu e hoje, continuamos a ver as descidas de rio a começarem, todas, a jusante da praia do Reconquinho. A meu ver, Penacova desperdiça uma oportunidade! Esses milhares de amantes do desporto-aventura vão rio abaixo e acabam por não conhecer esta terra. 
Mais atenta a esta realidade, a câmara de Poiares criou o Louredo Natura Parque, e fez o que em trinta anos Penacova não conseguiu fazer!
destaques

Recent Posts

Pista da Atalhada continua sem homologação

Pista da Atalhada foi inaugurada em 2014 Foi inaugurada pelo município em setembro de 2014 para servir de palco, sobretudo,…

3 dias ago

MEMORABILIA 19 – “Ó camarada cá vai uma pulha!”

O aparelho que amplificava o som das pulhas O lançar das pulhas era uma tradição antiga, do tempo dos nossos…

2 semanas ago

A Lenda dos Três Rios

Muitas das compilações existentes sobre lendas portuguesas a referem, atribuindo-a à tradição oral da zona de Pombeiro da Beira, mas…

2 semanas ago

DA FICÇÃO À REALIDADE

  Este é o complexo diagrama das estruturas coordenadas pela Agif, a nova a Entidade criada pelo governo para coordenar…

2 semanas ago

Portugal Green Travel instala-se em Penacova

Hugo Teixeira Francisco tem raízes em Penacova Um novo operador turístico especializado em produtos ligados ao turismo/natureza, destinos/aventura e produtos…

3 semanas ago

Memórias da Beira Serra: gravuras do boletim “A Acção Regional” 1931-1934

De 1931 a 1934 publicou-se em Lisboa um boletim trimestral que tinha como título “A Acção Regional”. Dirigido por José…

1 mês ago