Ó da barca! Quem acode à Barca Serrana!

Barca Serrana abandonada junto à pista de pesca 
A Barca Serrana, símbolo maior das gentes de Penacova tem sido eternizada e celebrada nas palavras de escritores, nas telas de pintores, nas mãos dos artesãos. As imagens da esguia embarcação negra, de velas em branco cru, estão disseminadas por todo o lado.
Quando quero presentear alguém que não conhece esta região, levo sempre uma miniatura e explico a importância que ela teve na história e tradições locais.
Tenho defendido que a Barca Serrana deveria ser melhor preservada! Ao longo do tempo, tenho aqui deixado várias sugestões: imortalizá-la numa genuína obra de arte, de homenagem à figura do barqueiro; criar passeios regulares, principalmente na época de verão, no troço de rio junto a Penacova; construir um cais na praia fluvial do Reconquinho para que ela possa estar, em permanência, perto dos olhares dos visitantes.
Como referi, recentemente, esse cais existiu em 2012, quando uma nova barca foi lançada à água. 
Esse projeto, concretizado com a ajuda da AD ELO – Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, destinava-se a potenciar esse recurso turístico e a preservar tão relevante património. Tudo foi por água abaixo e caiu no esquecimento!
A Festa do Barqueiro, organizada anualmente pela associação de Miro, é o único momento em que o nosso símbolo maior é devidamente reconhecido. Através de uma reconstituição histórica lembram-se as lides do rio e importância da Barca Serrana na vida de antigas gerações.
Por estes dias, num passeio de bicicleta, pela pista de pesca de Vila Nova, deparei-me com um triste cenário! Abandonada à sua sorte, ancorada na margem, sob a ponte do IP3, lá está a barca, meio tombada e mergulhada no Mondego. Apesar de ser uma embarcação com poucos anos, os sinais de degradação são evidentes e reveladores da falta de cuidado com que é tratada.
Em pleno agosto, mês de maior afluência de visitantes ao Reconquinho, era lá que deveria estar, num “trono” que revelasse toda a sua história!

destaques

Recent Posts

Luís Amante escreve sobre a poesia do tempo

É o terceiro livro de poesia do autor Ao terceiro livro, o autor reconhece que houve uma evolução nos poemas…

1 dia ago

Quando na Raiva se juntavam trinta e seis barcas serranas e duzentos carros de bois …

Desenho de Joana Santana Em 1954, no jornal “Notícias de Penacova”, o Padre Manuel Marques (que assinava Manuel do Freixo)…

3 dias ago

O Porto da Raiva na segunda metade do século XIX

PORTO DA RAIVA FOTO: SITE DO MUNICÌPIO DE PENACOVA São frequentes as referências ao Porto da Raiva, geralmente associadas ao…

1 semana ago

Vila Nova tem novo alojamento local

Miguel, Margarida e Luís, os donos da Charrua do Mondego Uma família de empreendedores da Riba de Baixo arregaçou as…

2 semanas ago

Apontamentos para a história da Pérgola no centenário da sua construção

No início do século XX, a Sociedade de Propaganda de Portugal inscreveu Penacova no conjunto das 17 localidades portuguesas dignas…

1 mês ago

Movimento mantém luta pelos cuidados continuados

Movimento acredita que o Revive não é solução Um dos rostos do movimento de cidadãos "Mais Saúde para o Hospital…

1 mês ago