Ó da barca! Quem acode à Barca Serrana!

Barca Serrana abandonada junto à pista de pesca 
A Barca Serrana, símbolo maior das gentes de Penacova tem sido eternizada e celebrada nas palavras de escritores, nas telas de pintores, nas mãos dos artesãos. As imagens da esguia embarcação negra, de velas em branco cru, estão disseminadas por todo o lado.
Quando quero presentear alguém que não conhece esta região, levo sempre uma miniatura e explico a importância que ela teve na história e tradições locais.
Tenho defendido que a Barca Serrana deveria ser melhor preservada! Ao longo do tempo, tenho aqui deixado várias sugestões: imortalizá-la numa genuína obra de arte, de homenagem à figura do barqueiro; criar passeios regulares, principalmente na época de verão, no troço de rio junto a Penacova; construir um cais na praia fluvial do Reconquinho para que ela possa estar, em permanência, perto dos olhares dos visitantes.
Como referi, recentemente, esse cais existiu em 2012, quando uma nova barca foi lançada à água. 
Esse projeto, concretizado com a ajuda da AD ELO – Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, destinava-se a potenciar esse recurso turístico e a preservar tão relevante património. Tudo foi por água abaixo e caiu no esquecimento!
A Festa do Barqueiro, organizada anualmente pela associação de Miro, é o único momento em que o nosso símbolo maior é devidamente reconhecido. Através de uma reconstituição histórica lembram-se as lides do rio e importância da Barca Serrana na vida de antigas gerações.
Por estes dias, num passeio de bicicleta, pela pista de pesca de Vila Nova, deparei-me com um triste cenário! Abandonada à sua sorte, ancorada na margem, sob a ponte do IP3, lá está a barca, meio tombada e mergulhada no Mondego. Apesar de ser uma embarcação com poucos anos, os sinais de degradação são evidentes e reveladores da falta de cuidado com que é tratada.
Em pleno agosto, mês de maior afluência de visitantes ao Reconquinho, era lá que deveria estar, num “trono” que revelasse toda a sua história!

destaques

Recent Posts

Ex-presidentes de junta querem reversão das freguesias

Em 2013 São Paio foi agregada à freguesia de São Pedro de Alva O governo quer voltar a reorganizar o…

1 semana ago

Penacova e a Senhora do Mont’Alto

Gravura publicada no século passado  na imprensa local O nascimento de Nossa Senhora ou a Natividade de Maria é uma…

2 semanas ago

MEMO 18 – Confraria da Lampreia criada há quinze anos

Os percursores da Confraria da Lampreia de Penacova Em agosto de 2003 nasceu, por escritura pública, a Confraria da Lampreia…

3 semanas ago

INCÊNDIOS FLORESTAIS

Ao dar uma olhadela nos meus arquivos da semana passada encontrei esta capa de jornal. Cada um interpreta como quiser.…

3 semanas ago

História da Casa do Povo de S. Pedro de Alva é o tema de novo livro de Alfredo Fonseca

No dia 15 de Julho teve lugar a apresentação de mais um livro de Alfredo Santos Fonseca. É o oitavo…

4 semanas ago

História da Casa do Povo de S. Pedro de Alva é o tema de novo livro de Alfredo Fonseca

No dia 15 de Julho teve lugar a apresentação de mais um livro de Alfredo Santos Fonseca. É o oitavo…

4 semanas ago