MEMO 18 – Confraria da Lampreia criada há quinze anos

Os percursores da Confraria da Lampreia de Penacova
Em agosto de 2003 nasceu, por escritura pública, a Confraria da Lampreia de Penacova. “A criação da confraria tem como finalidade a defesa e divulgação do património gastronómico de Penacova no geral e, em particular, a lampreia”, afirmou ao JORNAL DE PENACOVA, Fernando Andrade, um dos fundadores.
Tendo sempre por base a lampreia e o seu modo de confeção no concelho, esta associação sem fins lucrativos pensa já em organizar alguns eventos. E porque a lampreia não existe só em Penacova, a confraria pensa também na criação de um roteiro turístico onde constem outras terras e outras formas de confecionar lampreia. Dentro do nosso património gastronómico, a nova associação não põe de parte a divulgação e defesa das nossas nevadas e dos peixes do rio – “achamos que falar só de lampreia e não falar de outros pratos não faria sentido. Temos de fazer um levantamento de outras iguarias que teria interesse divulgar”, esclareceu Fernando Andrade.
Exigir a construção de uma escada de peixe na ponte-açude em Coimbra, para tentar salvar esta espécie ameaçada, é uma das grandes prioridades – “gastaram-se milhões nas inacabadas obras do Baixo Mondego, gastou-se dinheiro no projeto para a escada de peixe e continuamos sem ver nada. Estamos disponíveis para, juntamente com outras associações, por exemplo a Associação dos Amigos do Mondego, avançar com uma petição para que o assunto seja levado à Assembleia da República”, afirmou Manuel Estácio Flórido, ex-presidente da câmara e um dos impulsionadores da confraria. É intenção da confraria colaborar com a câmara de Penacova na organização do Fim de Semana da Lampreia, evento anual, que atrai muitos visitantes. 
São fundadores da Confraria da Lampreia de Penacova: Fernanda Pimentel, Horácio Flórido, Leonel Serra, Manuel Estácio Flórido, Fernando Lopes, Luís Menezes, Carlos Fonseca, Mário Pereira, Álvaro Pinheiro, Fernando Andrade, Carlos Mendes e Manuel Feio.
Quinze anos depois da fundação, a Confraria da Lampreia de Penacova continua bastante ativa e tem como Mordomo-Mor, o advogado, Luís Pais Amante.
ARQUIVO JORNAL DE PENACOVA, 2003/2004
destaques

Recent Posts

Luís Amante escreve sobre a poesia do tempo

É o terceiro livro de poesia do autor Ao terceiro livro, o autor reconhece que houve uma evolução nos poemas…

1 dia ago

Quando na Raiva se juntavam trinta e seis barcas serranas e duzentos carros de bois …

Desenho de Joana Santana Em 1954, no jornal “Notícias de Penacova”, o Padre Manuel Marques (que assinava Manuel do Freixo)…

3 dias ago

O Porto da Raiva na segunda metade do século XIX

PORTO DA RAIVA FOTO: SITE DO MUNICÌPIO DE PENACOVA São frequentes as referências ao Porto da Raiva, geralmente associadas ao…

1 semana ago

Vila Nova tem novo alojamento local

Miguel, Margarida e Luís, os donos da Charrua do Mondego Uma família de empreendedores da Riba de Baixo arregaçou as…

2 semanas ago

Apontamentos para a história da Pérgola no centenário da sua construção

No início do século XX, a Sociedade de Propaganda de Portugal inscreveu Penacova no conjunto das 17 localidades portuguesas dignas…

1 mês ago

Movimento mantém luta pelos cuidados continuados

Movimento acredita que o Revive não é solução Um dos rostos do movimento de cidadãos "Mais Saúde para o Hospital…

1 mês ago