O efeito Marcelo

Praia do Reconquinho                  FOTO: Óscar Pereira Trindade
Este verão, o Presidente da República andou de mochila às costas pelo interior do país. Marcelo Rebelo de Sousa cumpriu promessa feita após os incêndios de junho e outubro, do ano passado, e visitou algumas das zonas mais afetadas.
“Mostrar como é importante que haja turismo nas zonas atingidas pela tragédia do ano passado”, foi nestes termos que o chefe de Estado justificou a vinda a vários municípios do centro do país. Nos primeiros dias de agosto, o Presidente da República, apareceu de forma surpreendente ao volante do seu carro, sem agenda oficial e apenas com a segurança obrigatória, em várias praias fluviais dos concelhos de Vouzela, Tondela, Oliveira do Hospital e Penacova, entre outros. Em todas mergulhou, em todas tirou as famosas selfies, conversou com os veraneantes e, pelo caminho, foi deixando um “desafio aos portugueses para visitarem a região.”
No Vimieiro, no Reconquinho, em Nandufe, em Porto Várzea, ou em qualquer outra onde tenha estado, percebeu-se que a mensagem tinha passado. Estas praias fluviais, habitualmente muito frequentadas em agosto, tinham de facto muito mais gente!
No Vimieiro, Marcelo elogiou o ambiente bucólico e verde da paisagem e no Reconquinho sublinhou a sofisticação da praia. Sim, o Reconquinho está melhor! A bandeira azul e a consequente melhoria das estruturas de apoio têm atraído mais visitantes. Mas ainda há margem para melhorar. Falta o tal upgrade, o passo seguinte, ou seja, continuar a apetrechar a praia e zona envolvente para a tornar num spot turístico da região e, porque não, do país.
É preciso, por exemplo, fazer um bom parque de merendas. É necessário aproveitar a margem direita. A ponte pedonal, à semelhança do que está ser feito na Misarela, deve ser uma estrutura definitiva que substitua a arcaica travessia de madeira. O Reconquinho pode e deve ser ponto de partida das descidas de canoa e, por isso, é preciso criar condições para instalar as empresas. 
A juntar a tudo isto, que já não é pouco, é urgente mudar o funcionamento do bar da praia. Tal como está, não serve os interesses do coletivo. Nos próximos meses, a câmara vai promover novo concurso para a exploração do espaço. Será uma ótima ocasião para redefinir compromissos. O futuro concessionário deverá ter uma ação mais direta na gestão da própria praia (nadadores-salvadores, animação, bar de apoio, gaivotas, etc) para que não caiam sob o município todas as obrigações. A praia do Reconquinho tem condições naturais para ser uma das melhores do país! Claro que não podemos estalar os dedos e voilá, está feito! Mas é preciso começar já!  
Álvaro Coimbra
destaques

Recent Posts

Lorvão e Alcobaça no Registo da Memória do Mundo

Passados três anos após a inscrição no Registo da Memória do Mundo dos manuscritos “Apocalipse do Lorvão” e “Comentário ao…

1 dia ago

Viver no interior não é uma fatalidade

Como o Fundão pode ser inspirador para Penacova Penacova tem um atraso estrutural que muito dificilmente conseguirá recuperar. Continuamos a…

2 dias ago

TRAGÉDIA – VERÃO 2017

 Texto escrito em 17 de Outubro de 2017 Cinco vidas ceifadas, 4 Bombeiros que necessitaram de deslocação aos HUC, 29…

7 dias ago

Devolver o imposto ou investir?

PS e PSD trocaram acusações sobre devolução do IRS A câmara de Penacova não vai devolver IRS aos munícipes em…

2 semanas ago

Casa onde nasceu António José de Almeida vai dar lugar a Museu da República

A Câmara Municipal de Penacova assinou hoje um Protocolo de Colaboração com o Centro de Estudos Disciplinares Século XX (CEIS…

2 semanas ago

Lixeira a céu aberto na descida do Botão

Lixo acumula-se na descida do Botão (IP3) Os portugueses estão a produzir mais lixo e as campanhas de sensibilização e…

3 semanas ago